Pipas

Publicado em 26/03/2013

Origens

Câmara Cascudo alude a Arquitas de Tarento, contemporâneo de Platão (século V a.c.), a invenção da pipa;

Segundo estudiosos, o empinamento de pipas é praticado no Extremo Oriente desde as primeiras eras;

O Ocidente só efetivou sua prática a partir do século XIV. Os primeiros mercadores portugueses, ingleses e holandeses é que teriam trazido a pipa para a Europa;

Teorias, lendas e suposições tendem a demonstrar que o primeiro voo de uma pipa ocorreu em tempos e em várias civilizações diferentes, mas a data aproximada gira em torno de 200 anos antes de Cristo. O local: China;

No Egito hieróglifos antigos já contavam de objetos que voavam controlados por fios. Os fenícios também conheciam seus segredos, assim como os africanos, hindus e polinésios.

Curiosidades importantes

O grande navegador Marco Polo (1254-1324) explorou as potencialidades da pipa, embora levado por motivos menos lúdicos. Conta-se que, em suas andanças pela China, ao ver-se encurralado por inimigos locais, fez voar uma pipa carregada de fogos de artifício presos de cabeça para baixo, que explodiram no ar em direção à terra, provocando o primeiro bombardeio aéreo da história da humanidade;

O gênio italiano Leonardo Da Vinci, em 1496, fez projetos teóricos com nada menos que 150 máquinas voadoras, também baseados na potencialidade das pipas;

Em 1752 uma experiência de Benjamim Franklin demonstrou definitivamente a importância das pipas na história da Ciência. Prendendo uma chave ao fio de uma pipa, ele a empinou num dia de tempestade. A eletricidade das nuvens foi captada pela chave e pelo fio molhado, descobrindo-se assim o pararraio; Foi graças ao conhecimento das pipas que o grande Santos Dumont conseguiu voar no famoso 14 Bis que, no final das contas, não deixa de ser uma sofisticada pipa com motor;

George Cayley, em 1809, realizou, através das pipas, o primeiro pouso acontecido na História, experiência com fundamentos aeronáuticos que mais tarde seriam utilizados na NASA pelo engenheiro americano Francis M. Rogallo com as naves Apolo, que criou assim os paraquedas ascensionais (parawings), que permitem ainda hoje um perfeito controle do retorno à terra das cápsulas espacias;

A pipa também prestou relevantes serviços aos Exércitos como meio de comunicação à distância:

1. Na Guerra de Secessão nos Estados Unidos, os Federais usaram-na para lançar panfletos sobre as tropas dos sulistas;
2. Na Primeira Guerra Mundial, ela serviu para elevar aos ares espiões, que buscavam informações a respeito das instalações inimigas;
Em 12 de dezembro de 1921, Marconi utilizou pipas para fazer experiências com a transmissão de rádio, teste que, mais tarde, seriam utilizados por Graham Bell em seu mais notório invento: o telefone;

O empinamento de pipas é o esporte favorito do povo das Ilhas Maldivas e é considerado o esporte nacional no Tibete. Na Indonésia é um símbolo espiritual;

Nomes

A pipa é chamada de várias formas e significados pelo mundo, por exemplo:

• Alemanha - Drachen, Papierdrachen, Hirschkafer, e, no leste, Alf
• Argentina - Barrilete, Cometa e Volantin
• Chile - Volantin e Cambucho
• China - Feng-cheg (jogo ou joguete do vento)
• Cuba - Capuchina, Chiringa
• Espanha - Cometa
• EUA e Inglaterra - Kite
• França - Cerf-volant
• Itália - Aquilone e Ciervo volante
• México - Papaloti (mariposa)
• Rússia - Z'=mei (serpente)
• Uruguai - Cometa

Outros países de língua espanhola - Birlocha, Pandorga, Milocha, Bola, Papalote, Pájara, Pajarilla, Pájaro, Bitano, Dragon.

Como significado, a palavra "Dragão" revela-se a mais universal (Alemanha, Bohêmia, Dinamarca, Armênia, Suíça, Hungria e em muitos países de língua espanhola). A origem desta preferência remonta à mitologia oriental, segundo a qual o dragão produz vento e chuva, benefícios para a humanidade.

A pipa no Brasil

Nós brasileiros conhecemos as pipas através dos colonizadores portugueses por volta de 1596.

Um fato pouco conhecido de nossa História deu-se no Quilombo dos Palmares, quando sentinelas avançadas anunciavam por meio de pipas quando algum perigo se aproximava - mais uma prova de que a pipa era conhecida na África há muito mais tempo, pois os negros já cultuavam-na como oferenda aos deuses.

Os nomes que a pipa ganhou aqui derivam do animismo que o povo atribuiu ao objeto. Por sua semelhança com a "arraia" ou "raia", a pipa é assim chamada em muitos lugares do país.

Por sua variedade de cores e pela circunstância de voo ela é também denominada "papagaio".

O próprio nome "pipa" deriva da semelhança que o objeto tem com a vasilha bojuda de madeira que serve para conter líquidos;

No Rio Grande do Sul é uma autêntica tradição espanhola o velho costume de empinar pipas na sexta-feira santa. As pessoas saem cedo de casa, com um farnel na mão e a pipa pendurada nas costas, e seguem para os cerros da região, longe dos fios que fazem a transmissão de energia, para dedicar-se ao esporte.

Além dos conhecidos nomes "pipa", "arraia" ou "raia", "papagaio", "pandorga" e suas variantes, é chamada de muitas outras formas nas regiões do país:

• Amazonas - Cangula, Guinador, Frade, Curica e Estrela
• Ceará - Barril, Bolacha, Cangulo, Estrela e Pecapara
• Rio de Janeiro - Cafifa, Laçadeira, Estilão, Gaivota, Marimba, Pião, Modelo, Quadrado e Carambola
• Maranhão - Jamanta (quando grande) e Curica (quando pequena)
• Pernambuco - Camelo e Gamelo
• Rio Grande do Norte - Coruja
• Minas Gerais - Frecha, Catita, Quadra e Lampião
• São Paulo - Rainha, Peixinho, Quadrado, Quadrada, Quadradinha e Índio
• Pará - Maranhoto, Curica, Pote, Guinador e Cangula
• Rio Grande do Sul - Churrasco, Barrilete, Arco, Estrela, Caixão, Bidê, Bandeja, Navio e Pipa
• Santa Catarina - Papagaio e Barrilote

Construção e empinamento

Uma pipa se constitui das seguintes partes principais: armação, amarração, cobertura, rabo e linha (cordel).

A armação é o esqueleto da pipa. É formada por varetas, barbante, e em alguns casos, substitui-se este por fios de arame, muito finos. As varetas são feitas, geralmente, de taquara, bambu ou do eixo da palha de coqueiro. As mais simples das pipas são feitas de duas varetas cruzadas em xis, com suas extremidades unidas por cordão.

A amarração é formada por meio de fios que prendem e firmam o esqueleto da pipa. Para ligar a pipa ao cordel a amarração é feita, normalmente, dos ângulos superiores e do centro à extremidade da linha principal.

A aderência da cobertura às varetas e cordéis é feita com cola. Em nossos dias utiliza-se muito a cola industrial, abundante e de fácil aquisição, sendo preferida a do tipo "cola-tudo", encontrável em qualquer estabelecimento comercial. Entretanto, é comum, ainda, principalmente no interior, o próprio empinador fazer sua cola, à qual chama de "grude" ou "goma". Há, pelo menos, duas modalidades de fabricação caseira: o grude cru e o cozido. É feito com uma mistura de farinha (de trigo, mandioca ou polvilho) e água, dependendo da prática do fabricante conseguir uma boa cola, "no ponto" ideal para uma perfeita aderência dos materiais a serem unidos.

A cobertura mais comum é a feita com papel encerado e ou de seda, preferindo-se material colorido. Com o advento do tecido conhecido por nailon, têm aparecido muitas pandorgas utilizando dito material, bem como o conhecido isopor, muito leve e de fácil preparo para tomar a forma que se deseja. Há uma grande variedade de papel que se presta a confecção de pipas.

O rabo costuma ser feito com tiras de pano, inteiriças ou em pedaços. É muito comum usar-se gravatas velhas para tal. Faz-se, também, rabos com pedacinhos de papel (papelotes), inseridos em um barbante. É peça importante pois é ele que dá o necessário equilíbrio à pipa.

O cordel é a linha mais ou menos forte que sustenta a pipa pelos tirantes. Com o advento das cordas de nailon este material vem tomando preferência, por ser muito resistente e de pouco peso, não sendo de admirar que, com o correr do tempo, substitua ele totalmemte os cordéis e barbantes de algodão, pita ou sisal, correntes em nosso comércio. O cordel é enrolado ou enovelado e vai sendo solto à medida que o engenho sobe.

Para se construir uma pipa simples é necessário um quadrado de papel colorido (papel de seda) com 50 centímetros (em média) de lados ou um pouco mais. A armação é feita de taliscas muito finas, de madeira leve e flexível e pregadas no papel com cola (comumente feita em casa e chamada de "grude"). A cauda (ou rabo, ou ainda rabada) é feita com tiras do mesmo papel amarradas numa linha (pedaço do cordel);

O costume de "envenenar" pipas é universal. Este procedimento é feito para disputas entre elas. Para tal feito existem, pelo menos, duas maneiras distintas: a da linha (cordel) "envenenado" (com o cerol) e a do rabo (ou rabada) com um objeto cortante. A linha "envenenada" transforma-se numa terrível arma cortante.

Perigo das pipas

O cerol e o vidro utilizados para "envenenar" pipas às vezes causam graves acidentes, por seu poder cortante.

Para empinar pipas deve ser observada uma regra básica: nunca empinar pipas em locais onde houver cabos elétricos aéreos. A pipa pode encostar num cabo elétrico e, se sua linha estiver molhada ou enrolada num objeto de metal (uma lata, por exemplo), ela se transforma num excelente condutor de eletricidade.

Fonte: www.educacaopublica.rj.gov.br


Faça suas reservas e encomendas!


Confira todos os artigos

Aqui na Banca Tomodati você encontrará contribuições dos AMIGOS DA BANCA TOMODATI,
em forma de textos, artigos culturais, históricos, científicos, etc.

Envie seu artigo

Aqui na BANCA TOMODATI você pode adquirir conhecimento e também compartilhar suas ideias. Esse espaço é seu, envie seu artigo e compartilhe seu conhecimento!

Entre em contato

Telefone: (11) 4402-2867

Endereço 1: Rua Elizeu Corradine, 1246, Loanda, Atibaia - São Paulo.

Telefone: (11) 4413-6906

Endereço 2: Av. Joviano Alvim, 210, Alvinópolis, Atibaia - São Paulo.

E-mail: carlos@bancatomodati.com.br